“COVERS” OU NÃO “COVERS”?

NATION OF LANGUAGE | GOUNGE AWAY [PIXIES]

São raros os “covers” que me convencem à categoria do “respect”.
Eu diria que um “cover” de Pixies seria impossível fazer com que tal acontecesse. Bem, em boa verdade é “practicamente” impossível. E a explicação é simples e a minha falta de imparcialidade também: é uma das bandas da minha vida, como a maior parte das bandas da minha vida foram-nas porque criaram uma sonoridade muito própria e criaram no universo da música um espaço só delas, porque os temas eram na esmagadora maioria dos casos muito bons o que lhes conferia uma consistência que está ao alcance de muito poucos (nunca era igual, mas trazia um fio condutor ou denominador comum que funcionava como uma marca d’água que os autenticava como obra de arte).

Pois 31 anos depois, data em que “Gouge Away” fecha o álbum Doolittle de 1989, que tive a felicidade de adquirir uma edição especial reeditada este ano com gravações e, estúdio e mais uns temas nunca antes gravados, na Distopia, a melhor discoteca e livraria de Lisboa e arredores (por arredores quero dizer.., tipo… Saturno, anéis incluídos), deparo-me com este “cover” que me deixa boquiaberto, de uma banda sobre a qual já escrevi aqui e está alí ao lado direito nos “Under Listening and Highly Recomended” – os “Nation of Language” – e que não tenho como não aplaudir e, mais importante, ouvir com deleite e respeito.

E é também sobre estas pequenas coisas acontecerem lá muito de vez em quando que se edifica em mim a grande paixão pela música.
É disto que se faz aquele prazer, tantas vezes inexplicável a quem não o tem de igual forma, de descobrir uma pedra preciosa quando estamos apenas a caminhar junto a um rio ladeado por montanhas.