Arquivo de etiquetas: 2012

A POEM ABOUT EMOTIONS TRYING TO BE WORDS

KRONOS QUARTET | THE BEATITUDES (VLADIMIR MARTYNOV)

They lived in the impossible distance,
Of meeting at each other’s hands,
So they met in a musical poem,
Between two written notes on a music sheet,
Where both hearts could beat,
As only the hearts that love music can
And feed themselves on the poetic side of life can rest,
The only side worth living for.

A PESTE A CÉU ABERTO

STEPHAN MOCCIO | OW

Nas cordas deste piano há mais mundo que nas notícias,
Que te inundam o pensamento e te arrasam a esperança.
Porque há cidades a preto e branco que definham sob um céu azul.
Há medo, há medo de ter medo, e há lobos que de medo se alimentam,
Ferozes, que percorrem a cidade branca, que já se espraiou um dia,
No rio de felicidade que edificava já um modesto orgulho.
Mas a morte acordou e foi para a rua, impiedosa,
Aos olhos de quem a vê,
Mas pelas costas dos que escolheram negar a sangria,
Mas que seguiram o mesmo rumo que todos, incrédulos, em negação,
Não sabendo, idiotas, que a morte não joga jogos de sorte e de azar.
É bruxa que acerta e não concerta planos com ninguém,
Só os lobos rondam a morte, à distância, a medo, esperando de fome.

Continuar a lerA PESTE A CÉU ABERTO