Arquivo de etiquetas: DISTOPIA

A RECEITA DINAMARQUESA

KIRA SKOV | EVERYTHING REMINDS ME OF YOU

Os ventos no norte puseram-se em pé, num encadear de notas que piscam o olhos ao jazz, mas seguem a sua própria identidade, ora através do jazz, da música clássica contemporânea, ou assumindo aqui a tradição que não escondem, embora a fundam como uma liga de um metal precioso, talvez parecido com os metais com que se faziam as espadas que invadiram em tempos as terras do sul.

Há uma nova invasão bárbara, mas desta vez feita por homens e mulheres que vestem o que de mais elegante se desenha, que de bárbaros nada têm.

Aqui não se querem nem mortos nem feridos, apenas uma onda de um gosto apurado e sentido estético expresso na música, do jazz a um estilo como o de Kira Skov, a que o Discogs chama de rock. Bem, tssst tssst…

Continuar a lerA RECEITA DINAMARQUESA

“COVERS” OU NÃO “COVERS”?

NATION OF LANGUAGE | GOUNGE AWAY [PIXIES]

São raros os “covers” que me convencem à categoria do “respect”.
Eu diria que um “cover” de Pixies seria impossível fazer com que tal acontecesse. Bem, em boa verdade é “practicamente” impossível. E a explicação é simples e a minha falta de imparcialidade também: é uma das bandas da minha vida, como a maior parte das bandas da minha vida foram-nas porque criaram uma sonoridade muito própria e criaram no universo da música um espaço só delas, porque os temas eram na esmagadora maioria dos casos muito bons o que lhes conferia uma consistência que está ao alcance de muito poucos (nunca era igual, mas trazia um fio condutor ou denominador comum que funcionava como uma marca d’água que os autenticava como obra de arte).

Continuar a ler“COVERS” OU NÃO “COVERS”?

NÃO HÁ UMA MÚSICA TRISTE

STAN GETZ & CHARLIE BYRD | SAMBA TRISTE

Conheço cada acorde deste maravilhoso disco, como conheço cada acorde de todo o trabalho que João Gilberto (o pai biológico da bossanova) fez com Stan Getz. Bem, depois sobre Stan Getz diria que tenho quase tudo. Mas grande parte da história da bossanova pode ser musicada nas várias gravações de João Gilberto e Stan Getz, bem como nas gravações que Stan Getz faz nos Estados Unidos da América, com Big Band e neste disco com Charlie Byrd se conta basicamente a história da exportação da bossanova, onde Stan Getz tem um papel fundamental.

Continuar a lerNÃO HÁ UMA MÚSICA TRISTE