Arquivo de etiquetas: NICK CAVE

O POEMA DE UM PIANO DE CAUDA NO SALÃO

NICK CAVE | HE WANTS YOU [LIVE AT ALEXANDRA PALACE 2020]

É aqui, neste disco absolutamente de génio em bicos de pés, que o piano fala mais alto, não obstante Nick Cave ter uma extraordinária voz, mas aqui, também com mérito deste cantautor entre os melhores das últimas três décadas, o piano diz-te tudo o que queres ouvir, não mais.

Continuar a lerO POEMA DE UM PIANO DE CAUDA NO SALÃO

SOBRE CULTURA E CRIANÇAS

NICK CAVE | IDIOT PRAYER | NOBODY’S BABY NOW
LIVE ALONE AT ALEXANDRA PALACE

Na educação de um filho a apetência pela cultura é das maiores heranças que lhe podemos deixar. É um trabalho que deve começar logo desde cedo, pelo que há que levar em consideração que um pequeno almoço com s leitura de uma caixa de Corn Flakes tem mais valor literário que um livro da Margarida Rebelo Pinto.

(UNI)VERSUS

NICK CAVE – COSMIC DANCER

Houve, para eles, um certo sentido de urgência no toque da pele de cada um, naquela altura. Outro tanto sentido de urgência em que os olhos repousassem nos dos outro, para que as almas se acalmassem, as suas pupilas não saíssem olhos fora. Imaginaram tantas e tantas vezes como responderiam as vozes de cada um à chamada do universo que se agigantava então perante os seus olhos.

RATSO’S POEM

RATSO | OUR LADY OF LIGHT (FET. NICK CAVE)

Mas quem raio é Larry Sloman, que descubro “Ratso”, um velho biscateiro novinho em folha? “Ratso”…assim baptizado, por Joan Baez, imagine-se, um escritor reconhecido num restrito círculo de músicos, muito conhecido num restrito grupo, que será o mesmo que dizer “muito conhecido lá na rua dele”. Bem, mas que raio de rua é a de Larry?!
Ratso escreveu letras ali e acolá, fez covers de Bob Dylan numa digressão dos Rolling Stones, na sombra, mas sempre ali. Imagino um Ratso a fintar Bowies, Dylans e Keith Richards em clubes nocturnos de Brooklyn, com muito fumo no ar, desviando-se, mas simpático, todos eles o cumprimentam e lhe reconhecem um carisma que talvez Ratso nunca tenha encontrado no espelho do seu quarto, preservando-se de certa forma, mas fazendo o que gosta, assim, sem concessões, quando lhe apetece, escrevendo sobre músicos, aparecendo em cantos de telas de Martin Scorsese, cruzando-se com Mike Tyson, fazendo rádio com Howard Stern, escrevendo com e sobre dois mágicos, eu sei lá mais que mais e de quantos menos se tem feito a vida deste homem.

Continuar a lerRATSO’S POEM