Arquivo de etiquetas: PIAS

SOBRE O CERTO, O MEDO, E O BELO

GHOSTPOET | I GROW TIRED BUT DARE NOT FALL ASLEEP (EDIT)

A fria previsibilidade com que ela se mostrava, não dava lugar a qualquer imagem bela de memórias e surpresas que pudessem reviver-se em António, como que por uma fraqueza de coração a que era alheio.
Uma fraqueza feita de medos, defesas contra a história de um tempo, fazendo-o questionar-se como podia ter habitado uma clausura de tão grandes muros de desconhecimento.
António recorda as palavras “desconfia muito de quem nunca é capaz de confiar”. E António, que se renovava para voltar a desejar, a acreditar, tantas vezes colhendo as mesmas desilusões?

Continuar a lerSOBRE O CERTO, O MEDO, E O BELO

SOBRE ir PASSEAR O CÃO

BALTHAZAR | YOU WON’T COME ARROUND

Não sabes de quantas primaveras se faz a história destes rapazes, diz-te o Discogs que editaram o primeiro single há 12 anos, como não sabes o dia não lhes sabes contar as primaveras, mas pouco importa. O que importa é que te bem dispõem, que te fazem sentir a inocência de que se faz a dada altura a música de uma banda. Acontece que inocência artística não é bem o que se pode encontrar neste projecto Balthazar, já que a vocalização e escrita dos temas está a cargo de Jinte Deprez, que tem também o projecto a solo J.Barnardt lado a lado com o talento musical de Marteen Devoldere dos Warhause.

Assim, há uma sobreposição de primaveras que totalizam mais tempo do que te possa parecer, num conjunto de excelentes experiências musicais e que convergem nesta musicalidade arejada e oxigenada de Balthazar, fácil de digerir com qualquer prato. Não conhecias Batlhazar, mas não é coisa que vás esquecer, sendo até projecto que recomendas.

E é por isto que todos os dias, de madrugada, levas a passear os auscultadores, juntamente com homens e mulheres, miúdas e miúdos, que levam os seus cães a fazerem as suas necessidades e a desentorpecerem as patas e as costas. Um dia destes levarás um cão teu chamado Miles, e juntos educarão cães e pessoas a musicar as passeatas matinais e de fim de tarde, só porque o saber não ocupa espaço, principal e generalizadamente nos animais, já as pessoas põem muitas resistências às coisas novas e às novas formas de as fazer (as coisas, claro).

ASSUMIDAMENTE INCÓGNITO

WORKING MEN’S CLUB | BAD BLOOD

Encontro-te na cave, nesta linha de baixo, no dance floor das noites que se fazem por esquecer, tantas e tantas vezes sem sucesso. Mas há sempre a música, os locais para que nos transporta o grave baixo, os alter egos que acordam em nós, and so on and so on. A voz e a guitarra, lá está, seguem a linha de baixo que comanda os destinos, as delas, o teu e o meu. E tudo são luzes que se fundem em cores impossíveis, pessoas em movimentos slow motion, sombras contra a luz ou corpos luminosos a favor dela. E nós, na brava dança de corpos que dão tudo, mágoas deixadas à porta de casa, num caixote qualquer, entregamo-nos numa luta corpo a corpo que se faz de paz e desejo. Estas eram os noites passadas, em dias de fumo e fogo, na cave de um clube nocturno a que desejamos vida eterna.

Continuar a lerASSUMIDAMENTE INCÓGNITO