Arquivo de etiquetas: POP ROCK

THE GARDEN INSIDE ME

JOHN CALE | (I KEEP A) CLOSE WATCH


I will burn with fire,
By the hands of your whisper,
I will drown in the water,
Of your long arms around my neck,
Don’t say another line,
Or I will also burn with water,
At the landscapes of your gardens,

Will your flowers save me?
Will you tell me a story?
Of love and glory?
Or a piece of story?
Will you recognize me,
Inside the ice melting at your door?
Because if not, don’t say another verse.


A RECEITA DINAMARQUESA

KIRA SKOV | EVERYTHING REMINDS ME OF YOU

Os ventos no norte puseram-se em pé, num encadear de notas que piscam o olhos ao jazz, mas seguem a sua própria identidade, ora através do jazz, da música clássica contemporânea, ou assumindo aqui a tradição que não escondem, embora a fundam como uma liga de um metal precioso, talvez parecido com os metais com que se faziam as espadas que invadiram em tempos as terras do sul.

Há uma nova invasão bárbara, mas desta vez feita por homens e mulheres que vestem o que de mais elegante se desenha, que de bárbaros nada têm.

Aqui não se querem nem mortos nem feridos, apenas uma onda de um gosto apurado e sentido estético expresso na música, do jazz a um estilo como o de Kira Skov, a que o Discogs chama de rock. Bem, tssst tssst…

Continuar a lerA RECEITA DINAMARQUESA

SLOW TIME MACHINE

THE SLOW READERS CLUB | LUNATIC

Velhos os tempos, novas as vontades, presentes as saudades, como se tudo te pudesse acontecer novamente, com os mesmo ingredientes, mas com outros prazeres. Uma máquina do tempo, talvez, que te leve ao passado com tudo aquilo que trazes hoje na experiência e no saber.

Às vezes apetece-te ser o mesmo outro que foste um dia, mas escusas-te a ter o trabalho que te fez chegar ao homem que és hoje. A música é ainda uma boa máquina do tempo. E essa sim, faz-se nova com todo o saber acumulado de anos e anos de outros sons, mergulhada em influências que te fazem viajar por mundo incríveis em apenas segundos em que fechas os olhos para lhe dar atenção.

Faz boa viagem, passa num instante mas não parece. O bilhete é sempre barato, nunca sai caro e compensa. Aproveita cada nota, cada linha de baixo como seu o mundo se fosse fazer apenas de agudos.